Notícias

Reparação de orelhas

By 27 de novembro de 2014 Nenhum comentário

Cresce o número de cirurgias para reparar orelhas deformadas pelo uso de “piercings tribais” e alargadores.

High Wycombe, Inglaterra – Liam Palmer diz que seu sonho é servir no exército britânico. Os militares, porém, se recusam a aceitar o garoto de 21 anos com buracos nas orelhas pelo uso de piercings e alargadores.

“Eu não me arrependo. [Usar alargadores de orelha] Foi uma parte de quem eu era”, Palmer disse sobre seus antigos dias de contracultura – cabelo arrepiado, jeans apertados e alargadores de orelha.

Médicos dizem que os furos nas orelhas que são alargados até um diâmetro maior do que 1.3 cm (13 mm), como os de Palmer, não voltarão a encolher ou fechar naturalmente. Retirar o excesso de pele é o único jeito de repará-las. Por isso, Palmer passou por uma cirurgia estética para remodelar seus lóbulos. O cirurgião plástico Adrian Richard diz que o processo envolve remover o excesso de tecido alargado da orelha e usar pontos internos e externos nos lóbulos para recriar um formato mais normal.

foto1

Os cirurgiões anestesiam a orelha para o procedimento, mas o paciente fica acordado. As técnicas cirúrgicas e estéticas podem variar, mas os médicos dizem que, após a cirurgia, o paciente fica apenas com uma cicatriz bem escondida ao longo do contorno natural do lóbulo reconstruído.

Palmer não é o único passando por este procedimento. Richards, que realizou a operação do jovem, disse que viu um grande aumento no número destas cirurgias no último ano devido ao estigma negativo que cerca o que ele chama destes “túneis de carne”.

“Nós tivemos pacientes do Exército ameaçados de serem dispensados caso não passassem pelo procedimento para reparar suas orelhas,” disse Richards, diretor da Clínica Aurora. Ele diz que atende cerca de dez novos pacientes todo mês perguntando sobre o procedimento, desde profissionais do golfe até membros do clero, professores de escola até soldados.

O Exército Americano anunciou em maio uma repressão sobre os piercings maiores que um brinco convencional em suas tropas.  O website do Exército destaca um novo regulamento que proíbe os soldados de “mutilar seu corpo intencionalmente… incluindo… alargar as orelhas (buracos com diâmetro maior do que 1.6 mm nos lóbulos das orelhas).”.

A cirurgia de reconstrução de lóbulos é mais predominante no Reino Unido do que nos Estados Unidos, disse o Dr. Michael Edwards, presidente da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética (American Society for Aesthetic Plastic Surgery). Porém, cirurgiões de Los Angeles e Seattle também estão realizando o procedimento de reconstrução. “Os pacientes se dão conta de que os alargadores de orelha não estão sendo bem vistos quando se trata da procura e competição por emprego ou trabalho – assim como as tatuagens,” disse Edwards.

Edwards aponta que o custo da cirurgia pode variar entre $1,500 e $3,000 nos Estados Unidos. No Reino Unido, o custo da cirurgia está, em média, um pouco acima de $3,000.

Após a cirurgia, Palmer disse a CBS News que espera que a mudança em sua aparência compense. “Isto é pelo Exército, [eu estou] um passo mais próximo,” ele disse. O curativo de Palmer sairá em aproximadamente uma semana. Então, ele disse, está em suas mãos atender as exigências para realizar seu sonho de entrar para o Exército.

 

Fonte: CBS News

Crédito da Foto (Editada): Sarah F. Bowman via Compfight cc