Lipoaspiração é técnica cirúrgica consagrada e reconhecida da Cirurgia Plástica

Por SBCP

A lipoaspiração é um procedimento que pertence à área de atuação do Cirurgião Plástico, podendo ser indicada isoladamente ou como complemento de outras cirurgias. Certamente, a sua função mais conhecida está relacionada ao tratamento de acúmulos de gordura em algumas regiões do corpo, como o abdome, coxas, braços, cintura, submento, etc. Como qualquer cirurgia, a sua realização exige uma série de precauções e critérios de segurança. A seguir, listamos algumas etapas referentes à lipoaspiração:

Etapa 1 – Anestesia

Envolve a administração de alguns medicamentos pelo anestesista durante o ato operatório. Muito mais do que evitar a dor e o desconforto, o anestesista é um médico altamente treinado para entender as respostas do nosso organismo e, desta forma, garantir a segurança do paciente durante a cirurgia. Os tipos de anestesia empregados para a liposapiração são: a anestesia geral, a peridural, a raqui, a sedação, ou até mesmo a anestesia local.

Etapa 2 – Incisão

A lipoaspiração é realizada através de pequenas incisões, suficientes para permitir a entrada da cânula. Primeiramente, uma solução líquida estéril é infundida para reduzir o sangramento e facilitar a retirada de gordura. Em seguida, a cânula é inserida através das incisões para “quebrar” e aspirar os lóbulos de gordura, utilizando um movimento controlado de vaivém. Esta gordura pode ser descartada ou novamente injetada em áreas onde desejamos aumentar o volume.

Etapa 3 – Resultados

A melhora do contorno corporal começará a aparecer quando o edema (inchaço) diminuir. A eliminação deste líquido é progressiva, mês a mês, e devemos ter paciência e respeitar os limites do nosso organismo. A drenagem linfática pode ser um aliado importante na recuperação, mas deve ser sempre indicada pelo seu médico, e realizada por profissionais capacitados. É importante salientarmos que a lipoaspiração não é um tratamento para a obesidade, e não substitui a prática de exercício físico e bons hábitos alimentares. Se estas rotinas não forem seguidas o tecido adiposo que permaneceu pode sofrer uma hipertrofia (crescer), prejudicando ou até mesmo anulando o resultado obtido.