Archive: outubro, 2012

As redes sociais e o aumento do número de cirurgias plásticas

Estima-se que atualmente mais de um bilhão de pessoas no mundo usem redes sociais como Facebook e Twitter, sendo que 600 milhões usam as redes diariamente, de acordo com NewMediaTrendWatch.com.

Em função da popularidade das mídias sociais especialistas afirmam que estas podem ser uma das responsáveis pelo aumento do número de pessoas que procuram a cirurgia plástica.

“As pessoas vêm até mim e dizem: ‘Eu me via no espelho, mas eu realmente não havia notado, até que eu me vi no Facebook ou no meu iPhone ou iPad ‘”, diz um cirurgião plástico de Nova York ao Mashable.com.”Quando você olha no espelho, você está vendo a imagem de si mesmo refletida nele. Mas quando você se vê em uma mídia social, você está olhando para si mesmo da mesma forma como o mundo o vê”, afirma ele.

O fenômeno tem se tornado tão comum, que alguns médicos começaram a chamar os procedimentos influenciados pela mídia social de “facelifts Facebook”, mesmo que eles não incluam um procedimento tradicional de facelift.

Especialistas dizem que o recente aumento do número de cirurgias para aumento do queixo pode estar relacionados com as mídias sociais, porque essa é uma característica que muitos podem não perceber até que vejam frequentemente imagens de si mesmos online. De acordo com a Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética (ASAPS), houve um acréscimo de quase 10 por cento no número de cirurgias de queixo realizadas por cirurgiões membros entre 2010 e 2011.

Triana Lavey, uma produtora de notícias de 37 anos de idade, de Los Angeles, disse recentemente à ABC News que a mídia social está por trás de sua decisão de gastar o valor de $15.000 em procedimentos estéticos, incluindo um aumento do queixo, nariz e enxerto de gordura no rosto.

“Eu tive consciência sobre meu queixo em decorrência dessas fotos do Facebook”, disse Lavey, ao provedor Notice. “Eu acho que a mídia social realmente mudou muito sobre como olhamos para nós mesmos e julgamos nossa aparência. Dez anos atrás, eu não repararia que tinha um queixo fraco”. 

Devido ao fato de a mídia social ser tão onipresente, muitos são incapazes de simplesmente evitar ver suas fotos que não fazem jus a realidade. Além disso, o uso desses sites é muitas vezes necessário para o trabalho dessas pessoas. “É o local onde a minha carreira é dirigida e para onde a indústria está indo, eu tenho que estar lá”, disse Lavey à ABC News.

Quando a cirurgia plástica é uma boa opção para pessoas que procuram melhorar a sua aparência nas mídias sociais, os especialistas alertam que é muito importante escolher um cirurgião plástico certificado, a fim de garantir a segurança.

 

FONTE: ASAPS

Lipoaspiração reduz a gordura subcutânea, mas a dieta reduz também a gordura visceral

Nem toda gordura é igual. Quando a gordura da barriga é subcutânea por exemplo, ela não representa perigo para a saúde, enquanto que a gordura visceral, envolve os órgãos internos causando mais danos a saúde.

Imagem

A gordura visceral é associada ao diabetes e a problemas cardíacos, mais do que um índice de massa corporal (IMC). Não há explicações sobre o razão pela qual isso acontece, mas especula-se que a visceral pode levar a uma inflamação prejudicial à saúde. Em comparação, embora a gordura subcutânea pese para baixo, ela não parece ser tão perigosa.

Para determinar a diferença entre os dois tipos de gordura, você mesmo pode fazer o teste: tente beliscar alguém com uma barriga grande, se você conseguir segurar uma grande parte em sua mão, provavelmente é gordura subcutânea. Caso contrário, é visceral. “O modo como você perde gordura pode ser tão importante quanto à quantidade de gordura perdida”, afirma Dr. Samuel Klein, professor de medicina e ciência nutricional da Universidade de Washington School of Medicine para o Los Angeles Times, 25 de agosto de 2012 .

A gordura da barriga é um forte indício de potenciais problemas de saúde, tais como doenças cardíacas e diabetes. “Se você vê alguém com muita gordura nessa região, significa que este paciente corre um risco maior”, diz Dr. Klein. “Alguém que só tem o quadril grande, não tem o mesmo nível de risco”.

Dr. Klein liderou um estudo em 2004 que demonstrou que os pacientes que passaram por uma lipoaspiração e perderam alguns quilos de gordura subcutânea não obtiveram qualquer benefício em sua saúde associados a perda de peso, como a pressão arterial, redução do colesterol ou maior sensibilidade à insulina. Isto porque para a gordura visceral, que está diretamente ligado com as questões de saúde, a lipoaspiração sozinha não irá funcionar. Em vez disso, é importante cortar calorias e fazer mais exercícios.

Outro fato interessante, segundo Dr. Klein, é que cerca de uma em cada quatro pessoas obesas parecem ter colesterol bom, a pressão arterial normal e sensibilidade à insulina, “como se toda aquela gordura não fizesse diferença”, afirma ele. Isso quer dizer que, você não pode prever se um obeso terá ou não problemas de saúde, sem uma bateria de exames.

De acordo com um ex-presidente da Sociedade Americana de Cirurgia Plástica Estética (ASAPS), “Quase todos os pacientes com IMC acima de 30, precisam emagrecer antes de começar o procedimento”.

 Fonte: ASAPS

Back to Top