Notícias

Novo método não invasivo e indolor corrige orelhas de recém-nacidos

By 11 de março de 2015 Nenhum comentário

Uma equipe de pesquisadores americanos da Weill Cornell Medical College desenvolveu um dispositivo que promete mudar a forma como as deformidades em orelhas são corrigidas. Batizado de EarWell, a novidade é feita de um plástico rígido que remodela a cartilagem da área em recém-nascidos. O método é indolor, não-invasivo e tem resultados rápidos.

A técnica aproveita a grande plasticidade da orelha nos primeiros dias de vida para corrigir as deformidades: recém-nascidos possuem níveis de estrogênio altos, com pico no terceiro dia de vida, o que aumenta a plasticidade da cartilagem e permite modelar a orelha de forma correta em apenas duas semanas, prazo muito inferior aos outros métodos disponíveis.

reproducao-melissa_doft_cornell

O EarWell foi testado em mais de 100 recém-nascidos entre 2010 e 2013 e obteve uma taxa de sucesso de 96%. Além disso, não atrapalha a amamentação ou prejudica a capacidade de audição.

Por volta da sexta semana de vida o nível de estrogênio volta ao normal e torna as técnicas não-invasivas menos eficientes, fazendo com que o mais recomendável seja esperar até o momento correto para a realização de uma otoplastia.

“Esta pesquisa representa um avanço na forma como tratamos as deformidades da orelha”, disse a principal autora do estudo, Dra. Melissa Doft, ao site Cornell Chronicle. “Através da inovação temos a oportunidade de realmente fazer a diferença na vida das crianças, ajudando a diminuir o assédio moral que muitas crianças com deformidades da orelha enfrentam e a eliminar a necessidade de correção cirúrgica invasiva mais tarde na vida”, disse a Dra. Doft.

Com informações do Cornell Chronicle. Leia o original (em inglês) aqui.
Foto: reprodução/Dra. Melissa Doft/Cornell Chronicle